09/11/2009

Jeitinho Brasileiro.

Que tal 2015 ser recesso? Se em 2014 tem Copa do Mundo e 2016 tem Olimpíada. Eu não vejo problema algum que no ano de 2015 tenhamos recesso. Eu topo. Aqui no Brasil isso já funciona mesmo.

Esses dias me perguntaram o que eu mudaria no Brasil. Não me veio outra coisa na cabeça a não ser responder: “Eu mudaria oi jeitinho brasileiro”. Não que eu não utilize deste modo, eu estaria sendo hipócrita ao dizer isso, porque certamente em algum momento da minha vida eu já devo ter usado algum jeitinho brasileiro para me dar bem.

Eu mudaria o jeitinho brasileiro porque me emputece saber que o cidadão utiliza recursos emocionais, promessas, recompensas e dinheiro para obter favores para si. Isso pra mim é corrupção. Essa malandragem toda pra mim não é orgulho.

A diferença entre o jeitinho brasileiro e o “jeitinho internacional” é que somamos essa malandragem como característica cultural do Brasil. Tudo é festa. Assim assumimos uma postura diferente e orgulhosa de detonar os outros. Que somos nós mesmos.

A pessoa sabe que está fazendo algo que não é certo e mesmo assim faz, aí vem a punição e é dado um jeitinho brasileiro para a pessoa se livrar da responsabilidade da ação. É aquele famoso ditado: “varrer a sujeira para baixo do tapete".

Só que mesmo assim, internacionalmente a gente está com a moral. Acabamos de conquistar o direito de organizar a Olimpíada de 2016 no Brasil.

Todo mundo sabe que temos prioridades nas quais podemos muito bem aplicar esses milhões que serão exigidos no evento. Mas o que está feito, está feito. E digo mais, fiquei feliz. Só nos resta fazer direito.

Seria bom esquecer o jeitinho brasileiro e organizar a Olimpíada com o grau de profissionalismo que almejam. É complicado, mas daremos um jeito. É importante frisar que os jogos não podem ser vistos apenas como "os jogos". Tudo o que acontecerá até, durante e depois deles é o que importa. Os jogos em si serão apenas um detalhe - se quisermos que a Olimpíada seja realmente um ponto de inflexão na curva de amadurecimento do Brasil.

Será que a turminha do jeitinho brasileiro tratará os jogos como um fim e não como um processo? Focará na construção de obras sem planejar sua sustentabilidade? Usará os atletas, descartando-os em seguida até a próxima Olimpíada? Será que no dia seguinte o Brasil tirará a fantasia e voltará ao que era antes?

Se assim for, não teremos aprendido nada.
Perderemos a oportunidade de usar a Olimpíada para transformar o Brasil.
Igual aconteceu no Pan do Rio.
A gente vai acabar mostrando ao mundo que somos bons de festa.
A gente vai mostrar que queremos sombra e água fresca.
Carnaval e caipirinha.
Mostraremos que temos a ginga.
Mostraremos ao mundo que somos malandros.



Você pode enganar todos algum tempo ou alguns o tempo todo.
Mas não dá para enganar todos o tempo todo.

4 comentários:

Dead Lindsae disse...

Isso realmente dá raiva! Se orgulhar de ser desonesto...é mais do que malandragem, é burrice!

Dean Barret disse...

Gostei da frase. Convenhamos que é verdade... a mentira é uma teia pegajosa e maldita... vai se grudando em você, em quem está a sua volta e quando damos por conta... todo mundo está de algum modo preso nela... alguns se revoltam e tentam cortá-la, mas o estrago já foi feito e seus efeitos jamais serão apagados...
Fiquei feliz pelo prestígio que o nosso país receberá com a Copa. Lula mais ainda,a final, teve a sorte de que tenha sido em seu Governo que a decisão tenha sido tomada... Mas não acho que isso nos fará tomar jeito... é algo que tem que começar de dentro pra fora... vendo o sofrimento dos nossos semelhantes e a nossa pobreza... que por pouco beira a miséria absoluta... aliás em algumas cidades a pobreza chega a ser absoluta... Não creio que a Copa nos fará mudar... Apenas nos unirá por um tempo... como sempre acontece... afinal os esportes e o carnaval sempre nos fazem entrar em espírito de equipe... quando acaba... tudo volta a ser como antes... muitas vezes de modo até pior... Uma grande pena.

Abraços Lendários.
Dean.

Jaque disse...

Esse jeitinho está entranhado na gente, acho que principalmente em cariocas.
Tenho raiva disso, mas as vezes me pego dando um jeitinho também.

Sobre a imagem lá fora? Torço pra que dê tudo certo por aqui, porque lá, não vão entender esse nosso jeitinho nunca! Será imperdoável.

Nanuni Kokoritu disse...

E olha que eu nem tinha parado para pensar nisso...